Twitter rectangular
Alentejo Hoje

Fenómeno cresce no Alentejo

Vício da raspadinha aumenta entre idosos e já há quem lhe chame “papa reformas”

É um fenómeno que estará a “varrer” o Alentejo e que já preocupa as instituições de solidariedade social.

Roberto Dores

13 Fevereiro 2015 | Publicado : 15:45 (13/02/2015) | Actualizado: 15:47 (13/02/2015) | Fuente: Redação D.S.

O vício da raspadinha tem vindo a crescer na região de ano para ano, sobretudo, entre a população mais idosa. Há quem gaste dezenas de euros diariamente para tentar a sua sorte e não falta também quem esteja à espera do dia em que recebe a reforma para apostar forte. Sobretudo na variação conhecida como ‘Pé-de-Meia’, o jogo que pode oferecer como prémio máximo um rendimento mensal de 2 mil euros durante 12 anos.

Segundo apurou o “Diário do Sul”, há casas no Alentejo que vendem mais de 10 mil raspadinhas por mês, a maioria a idosos. Alguns dos jogadores até são conhecidos nas suas terras por viverem com dificuldades, chegando a recorrer à ajuda de lares quando o mês ainda vai a meio.

“Estamos a falar de um jogo que não é caro e que tem o atractivo de revelar logo se há prémio ou não. Não é como o Euromilhões, em que as pessoas têm que estar dias à espera para saberem o resultado”, explica a psicóloga Paula Esteves, admitindo ser esta a conjugação que tem disseminado o vício da raspadinha com especial incidência entre a terceira idade, que tende a jogar compulsivamente devido à perda de auto-controlo - que é transversal a faixas etárias mais baixas. Mas também alimentam a convicção de que um dia vão “raspar” um prémio chorudo.

Já o psicólogo Pedro Hubert, especialista no tratamento da adição ao jogo, avança que existem estudos definitivos que identificam as mulheres na faixa etária entre os 50 a 65 anos como tendo maior propensão para estes jogos de resultado imediato. Embora não haja uma justificação concreta, admite que possa ter a ver com “mudanças na vida das pessoas”.

Já quanto à disseminação do vício funciona uma espécie de efeito dominó. Ou seja, “quantas mais pessoas jogarem, mas pessoas são atraídas para o jogo desde que tenham essa propensão”, sublinha.

“Depois é um jogo de fácil acesso, que está por todo lado. Até o café ou o quiosque lá da rua têm raspadinhas”, insiste, numa altura que esta já representa mais do que 20 por cento das receitas da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa na venda de jogos sociais

Não é de hoje que João Goulão, diretor-geral do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e Dependências (SICAD), vem alertando que a raspadinha é um dos jogos que “mais preocupa o novo SICAD por ter um poder viciante superior a outros jogos sociais”.

O Departamento de Jogos da Santa Casa de Misericórdia revelou que a raspadinha é hoje o único jogo que contraria a tendência de queda dos jogos sociais. À falta de dados regionais, os números nacionais de 2011 indicam que os portugueses gastaram 1059 milhões de euros com o Euromilhões, mas os dados de 2014 dizem que o valor não foi além dos 846 milhões. Já a raspadinha passou de 207 milhões de euros gastos em 2011 para 625 milhões em 2014. Existem hoje 21 variações da raspadinha. As regras mudaram muito desde 1995.

Opinião dos nossos leitores

Dê-nos a sua opinião

Incorrecto
NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.alentejohoje.com reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.alentejohoje.com

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.