MaloSaraMatos
Alentejo Hoje

EDIÇÃO DIÁRIA

João Cutileiro doou espólio ao Estado mas já entregou todas as encomendas

Roberto Dores

27 Dezembro 2018

Foi uma tarde especial para o escultor João Cutileiro que ontem formalizou a doação ao Estado do seu espólio com mais de 700 obras, a par do atelier em Évora onde trabahou durante décadas. Ainda assim, preferiu olhar o passado, para garantir que "ainda mais especiais foram os 81 anos que ficaram para trás".
Mas não foi fácil chegar até aqui. "É uma chatice doar qualquer coisa ao Estado, tanta burocracia, tanta papelada. Se não fosse a ajuda da Direção Regional de Cultura ainda não tínhamos feito isto", desabafava Cutileiro ao Diário do Sul antes da cerimónia que teve lugar no Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, onde a ministra da Cultura, Graça Fonseca, entregou ao escultor de 81 anos a medalha de mérito cultural.
Já quanto ao futuro que deve ser dado ao histórico atelier, João Cutileiro preferiu passar a bola a quem vier atrás. "Se tivesse alguma ideia e não a tivesse concretizado ficava aborrecido comigo. Penso que estou a tirar um peso de cima dos meus filhos. Se ficassem com o espólio nunca mais faziam nada na vida, com o trabalho que tinham para cuidar dele", sublinhou.
Já uma sala cheia ouviu os elogios da ministra, que considerou estar em causa um projeto de "homenagem justa a um grande artista português, que tem uma longa carreira nas artes plásticas, sendo um dos grandes escultores do século XX, que marcou muito a nossa paisagem cultural", disse a governante, alertando para o gosto de Cutileiro em torno da fruição do espólio.
"Para que no futuro o espólio seja algo vivo, algo que crie futuro, que traga novos públicos, que crie nova gerações de escultores, de novos artistas nacionais e internacionais", destacou a ministra da Cultura, que falou ainda estar na presença de "um dia comovente para todos nós."
João Cutileiro, que chegou ao dia da doação do espólio ao Estado sem qualquer encomenda por entregar, ouviu ainda elogios transversais ao presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, reitora da Universidade de Évora, Ana Costa Freitas, além da secretária de Estado da Cultura, Ângela Ferreira, e diretora regional de Cultura, Ana Paula Amendoeira, que apontaram ao potencial cultural e turístico em torno do espólio do escultor de Évora.
A secretária de Estado, Ângela Ferreira, revelou ao Diário do Sul os projetos do Governo para o futuro das 750 obras de arte, das quais 126 são fotografias e as restantes esculturas., admitindo trata-se de uma "oportunidade notável, tanto para o entendimento do papel preponderante do escultor João Cutileiro no panorama da escultura e das artes plásticas em Portugal, como para colocar este espólio nas coleções disponíveis à fruição pública, possibilitando a utilização da casa e do atelier em diversos contextos criativos e educativos."
A mesma governante destacou que o escultor "tem inspirado sucessivas gerações e a partilha da sua obra é a garantia de que continuaremos a conhecê-lo, a estudá-lo e a aprender com este legado que generosamente nos confia a todos."

Opinião dos nossos leitores

Dê-nos a sua opinião

Incorrecto
NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.alentejohoje.com reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.alentejohoje.com

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.