acerca otoño 2
Alentejo Hoje
Twitter rectangular

Apresentação do Livro “E ficou a Terra” de Carla Ramalho

23 Outubro 2017 | Fuente: Nota de Imprensa

“E ficou a terra” é um livro de Carla Ramalho, que foi apresentado no dia 15 de outubro, em sessão que decorreu no Museu do Artesanato e Design de Évora.
Carla Ramalho nasceu em Évora já depois da Revolução de Abril. Mas o testemunho dos Avós e doutras gentes foi-lhe aguçando o desejo de conhecer e dar a conhecer a intensidade fundadora desses momentos históricos. A sua formação como socióloga permitiu-lhe ter uma chave de leitura e a sua condição de ser mulher mais se vinca na forma da sua escrita.
Escreveu um Romance Histórico contextualizado no Alentejo de 1975, onde personagens de filigrana literária confluem na narrativa das liberdades em erupção e conquista. Por um lado a liberdade coletiva, politica, determinada pelos ideais utópicos, nutridos da clandestinidade e seguindo-lhes os métodos. E, por outro lado, as liberdades individuais, capacidade critica em fase de instalação, ansiosas por determinar o próprio destino para além das raízes da terra e dos mandos ancestrais de cima para baixo.
A apresentação do livro contou com a participação de Nuno Vieira de Almeida, da Colbooks, chancela do grupo Porto Editora, que explicou a motivação editorial de dar oportunidade a autores, que nunca tendo editado antes, pudessem aportar novidade ao mundo editorial.
Descreveu o frenesim entusiástico, que se viveu na sua equipa diante do primeiro texto enviado pela Carla Ramalho, que veio à estampa como livro: “Pelas ruas duma cidade sem Nome”. Primeiro livro da autora. A partir daí a genialidade da escrita de Carla Ramalho ficou definitivamente na agenda da editora que lhe prevê um enorme futuro escrito.
A apresentação do livro ficou a cargo de João Canha, que foi pontuando as diferentes personagens, a tessitura das suas caracterizações, o artesoado das relações entre elas, num enredo repleto de repositório histórico, mas narrado a partir do diálogo interior de duas das suas personagens: O rapaz, galã romântico empenhado na construção da utopia coletiva, marido, amante e parceiro respeitador. A Verónica, mulher força, “braço direito do diabo”, na demanda que afirma a liberdade individual de ser mulher em revolução de costumes. Ele e ela numa cumplicidade marcada por uma dinâmica simbólica duma “4L”, dum “Flagrante” e duma “Ilha”.
Uma relação que personifica o próprio Processo Revolucionário Em Curso, no enquadramento das ocupações de propriedades e a constituição de Unidades Coletivas de Produção, cooperando para a dignificação dos trabalhadores vindos da lógica medievalista. Confrontados com os protótipos dum tempo passado marcado pelas patilhas alçadas dos homens e a condenação ao espaço doméstico das senhoras e á labuta sem recompensa das mulheres do povo.
Disse João Canha: “O exercício literário da Carla Ramalho está na capacidade de integrar conhecimento, num fino recorte literário que com curtos períodos, frases que encerram ideias, conseguindo prender desde a segunda linha do primeiro capítulo, convidando a desmontar os preconceitos moralistas que poderiam impedir de avançar na narrativa… mas todas a ousadia da escrita não é gratuita porque está, permanentemente, ao serviço do enredo… uma escrita sugestiva que assume contornos de guião cinematográfico.”
A animação musical esteve a cargo de Hugo Rico, que foi emprestando as suas capacidades musicais a temas associados à simbólica da revolução e à doçura do amor no Alentejo. Um mimo acrescido e espetacular, para as mais de três dezenas de pessoas que responderam ao convite para o evento.
Este momento apresentou um livro mas, acima de tudo, desvelou a existência de uma escritora alentejana, de Évora, que seguramente ainda fará imprimir muitas páginas, ainda fará maior o seu Alentejo.

Opinião dos nossos leitores

Dê-nos a sua opinião

Incorrecto
NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.alentejohoje.com reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.alentejohoje.com

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.