Twitter rectangular
Alentejo Hoje

Portel

NEOREALISMO E DESTAQUE NO FESTIVAL DE CINEMA EM PORTEL

INICIA NO PRÓXIMO SÁBADO DIA 14, A XV EDIÇÃO DO FESTIVAL “O CASTELO EM IMAGENS”

04 Maio 2017 | Fuente: Nota de Imprensa

Tem início no próximo sábado, dia 14 de Maio, mais uma edição do Festival de Cinema – O Castelo em Imagens. Desta feita, a XV edição conta como é habitual, com um espectáculo de abertura e com a presença do seu director artístico, Lauro António.
O palco do Auditório Municipal de Portel acolhe mais uma vez a cerimónia que abre as portas a mais uma edição deste festival, o qual conta este ano, com o projecto Passione para inaugurar mais uma semana de sessões de projecção dedicadas inteiramente à temática dos castelos e à sétima arte.
A valorizar este ano a temática do festival está a mostra cinematográfica em torno do neorealismo italiano. O movimento neorrealista é seguramente dos movimentos artísticos que, no campo do cinema, teve uma maior influência em todo o futuro da cinematografia mundial. Surgiu num momento muito paricular da história da Europa (e do mundo) mas teve antecessores que possibilitaram a sua eclosão, nomeadamente algumas escolas realistas, como o documentarismo social inglês dos anos 30 (onde avultam as obras de John Grierson, Basil Wright, Edgar Anstey, Stuart Legg, Paul Rotha, Arthur Elton, Humphrey Jennings, Harry Watt ou Alberto Cavalcanti, entre outros), algumas incursões da escola soviética, mas também de muitos cineastas com uma obra muito particular, como Robert Flaherty, Joris Ivens, Dziga Vertov e tantos mais. Integrando-se nessa corrente realista, o neorrealismo teve, todavia, particularidades próprias.
Tanto na literatura como no cinema, a criação neorrealista procura descrever de imediato a realidade social e humana do país, enquadrando-as no ambiente da época, dando inclusive especial atenção a especificidades regionais e observando o quadro com preocupações éticas e igualmente estéticas. A verdade é que o tipo de rodagem que o neorrealismo impôs veio a influenciar toda a história do cinema posterior. Este tipo de “cinema pobre” sem magia estereotipada, sem grandes recursos, sem o glamour das estrelas e dos estúdios, sem temas fantásticos e fantasistas, esteve na origem de inúmeras experiências em todo o mundo, desde a Nouvelle Vague francesa, passando pelo Free Cinema inglês, pelos novos cinemas que se conheceram na década de 60 na Europa Ocidental e de Leste, pela América Latina, pela India, chegando aos próprios EUA, onde os primeiros títulos italianos de Rossellini e De Sica provocaram ondas de entusiasmo transbordantes.
“O Castelo em Imagens” nasceu da ideia de homenagear e sublinhar a importância histórica, social, cultural, artística e cinematográfica do “castelo”. Emanou de um conjunto de vontades com interesses comuns, à volta das muralhas de um castelo (o de Portel), de todos os castelos (inicialmente os portugueses, como é óbvio, mas também todos os castelos do mundo, do mundo “visível”, dito “real”, mas também do mundo da fantasia que só existe no interior de cada um de nós). Falar do Castelo como inspiração é falar de utopias, de castelos idealizados com vida em comum. Falamos hoje mais do que nunca, do castelo da resistência. Da resistência física, e da resistência intelectual. O castelo da defesa dos ideais.
De destacar também naturalmente e em paralelo, a XIV edição Concurso Nacional Escolar, dedicada aos jovens em idade escolar, do ensino básico ao superior, que aproveitam a temática e o concurso que a Câmara Municipal de Portel abre por esta altura a todas as escolas, para expressar as suas artes e sensibilidades, os seus conhecimentos e a sua fantasia, em pintura, desenho, fotografia ou vídeo. Com o castelo como tema inspirador, o concurso nasceu, e em boa hora o aconteceu, porque desde a primeira edição se mostrou uma certeza motivadora.
Lauro António, director artístico e responsável pelo programa valoriza a “promoção da cultura junto da comunidade e das suas várias franjas e idades, o que assume no concelho de Portel através do festival de cinema, uma grande relevância e é sem dúvida uma realidade que tem caracterizado o evento, bem como os seus conteúdos ao longo destes treze anos. Nesse sentido, o papel da autarquia tem contribuído de forma decisiva para criar as condições para uma vida cultural activa, assente na inovação e na descentralização, possibilitando cada vez mais um acesso generalizado à Cultura fora dos grandes centros urbanos e fazendo daquele concelho um reconhecido referencial no domínio cultural.”
Estará presente deste modo, mais um ciclo de cinema de valioso interesse cinematográfico até ao próximo dia 20, dia em que encerra o Festival com outro espectáculo musical que reune o Trovas & Canções, contando no seu elenco com o brilhante actor Ruy de Carvalho.

Opinião dos nossos leitores

Dê-nos a sua opinião

Incorrecto
NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.alentejohoje.com reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.alentejohoje.com

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.